Minhocas?! Perguntas frequentes sobre vermicompostagem

Artigo escrito pela Sara Silva, fundadora do projeto No Footprint Nomads.

 

O que é a vermicompostagem?

É o processo de transformação de restos de alimentos em adubo nutritivo com a ajuda de minhocas. A vermicompostagem tem muitas vantagens:

– reduz a quantidade de lixo nas lixeiras,

– evita o mau cheiro do lixo em decomposição,

– produz um adubo rico e gratuito,

– ajuda as plantas a crescerem,

– melhora a composição e estrutura do solo.

 

Dá para usar qualquer tipo de minhoca?

 

Infelizmente, não. Apesar de haver muitas espécies de minhocas em todo o mundo, somente sete são adequadas para a vermicompostagem. A espécie mais usada é a Eisenia Fetida, ou minhoca vermelha californiana. Também se pode usar a Lumbricus terrestris ou minhoca da terra.

 

Onde comprar as minhocas?

 

Podes comprar diretamente de produtores, como O Minhocário, ou de distribuidores, como a EcoGrowing.

 

De quantas minhocas preciso?

 

A recomendação da especialista em resíduos sólidos da North Carolina State University, Rhonda Sherman, é de aproximadamente 5 kg de minhocas para uma área de 1 m². As minhocas vermelhas californianas consomem diariamente metade do seu peso em nutrientes, ou seja, se produzes 2 kg de resíduos por dia, a quantidade ideal é o dobro do peso em minhocas – 4 kg. Para calcular quantos restos produzes diariamente, segue os passos seguintes:

– num saco, coloca os restos de cozinha produzidos num dia e que podem ser dados às minhocas (ver a pergunta seguinte) e pesa,

– repete a pesagem durante uma semana,

– o que produzes numa semana é a média das sete pesagens.

Comprar 4 kg de minhocas pode ser caro, por isso, podes começar com menos e deixá-las reproduzir-se. Demora mais tempo, claro, mas é uma solução mais económica.

 

 

Como montar um sistema de vermicompostagem?

 

Apesar de poderes comprar na Internet, o sistema de vermicompostagem também pode ser feito em casa com materiais baratos. Um conjunto de baldes com tampa ou caixas de arrumação são opções. O importante é que os contentores sejam de cor escura (as minhocas são sensíveis à luz) e estejam limpos. O tamanho do sistema depende da quantidade de lixo produzido: 1 kg de restos de alimentos necessita de uma área de 61 cm x 30.5 cm e 25 cm de altura.

 

Necessitas de três contentores semelhantes, empilhados uns em cima dos outros com a tampa colocada no do topo. O próximo passo é garantir o arejamento e a drenagem. Faz alguns furos no contentor do fundo para drenagem do líquido que se forma e coloca um tabuleiro para recolha. Fura os lados dos contentor do topo, junto à tampa, para arejamento do sistema (evita furar a tampa porque pode levar à perda de humidade). Coloca o vermicompostor em local arejado, longe da exposição direta ao sol.

 

O que devo e não devo dar de comer às minhocas?

 

As minhocas alimentam-se principalmente de restos de vegetais e frutas, massas, migalhas de pão, casca de ovo triturada finamente, borras de café e folhas de chá. É preciso também adicionar outros materiais, como papel e cartão ou palha seca, mas nem tudo é bom para a sua dieta. Deves evitar de alimentá-las do seguinte:

– carne, peixe, e marisco,

– óleos ou fritos,

– citrinos,

– materiais não-orgânicos (plástico, metal, vidro),

– excrementos de animais e humanos,

– cinzas.

 

As minhocas também precisam de certos níveis de humidade (cerca de 80%) que se podem manter com a adição de papel de jornal humedecido ou restos de cozinha mais líquidos.

 

 

O compostor cheira mal. O que faço?

 

As causa possíveis para o mau cheiro do vermicompostor são as seguintes:

– demasiada comida: se houver comida a mais, as minhocas não conseguem tomar conta do recado e os restos começam a decompor-se (não as alimentes por uma semana),

– materiais não compostáveis: remove estes materiais do compostor e mantém um contentor na cozinha onde colocas os restos de alimentos que são para dar às minhocas,

– restos expostos: cobre com pelo menos 5 cm de tiras de papel de jornal humedecido,

– demasiada humidade: adiciona papel de jornal ou cartão secos e deixa o compostor exposto ao sol sem a tampa por um tempo,

– pouco arejamento: fazer mais buracos nos lados do contentor do topo.

 

Tenho moscas no compostor. E agora?

 

Moscas são sinal de que os restos estão expostos ou de que há demasiada comida. Cobre os restos com material seco, como indicado acima. Evita alimentá-las até os restos desaparecerem quase por completo.

 

Quanto tempo demora a produzir composto?

 

A formação do vermicomposto depende de vários fatores, por isso, é difícil dizer exatamente quando estará pronto para recolha. O mais provável é entre 3 a 6 meses. O vermicomposto não é mais do que o produto da digestão da matéria orgânica pelas minhocas e assemelha-se a solo.

 

Vou de férias. O que faço para manter as minhocas vivas?

 

Não há problema de ir de férias e deixar o compostor sem vigilância durante 3 a 4 semanas. Antes de saíres, coloca um pouco mais de comida e certifica-te de que a humidade é adequada.

 

O que fazer com o líquido e o composto sólido?

 

O líquido que se acumula no tabuleiro no fundo do vermicompostor resulta da drenagem do sistema e contém patogéneos nocivos para as plantas, não devendo ser usado no jardim, a não ser para eliminar as ervas daninhas. Podes fazer “chá" de composto, um líquido obtido a partir do composto sólido. Este líquido pode ser pulverizado sobre folhas das plantas e funciona como um fertilizante.

O composto sólido está pronto a ser usado diretamente nas plantas do teu jardim. Basta adicioná-lo ao solo.

 

Referências:

Sherman, R. (2018). 2. Composting. Consultado em 30 de Setembro, 2020, https://content.ces.ncsu.edu/extension-gardener-handbook/2-composting

Vermicompostagem. (2016). Consultado em 30 de Setembro, 2020, https://www.hortabiologica.com/vermicompostagem/ 

How Many Composting Worms Do I Need? (2019). Consultado em 30 de Setembro, 2020, https://www.wormcompostinghq.com/start-here/how-many-composting-worms-do-i-need/ 

Vermicompostagem Perguntas e Respostas. (2013). Consultado em 30 de Setembro, 2020, https://www.hortabiologica.com/vermicompostagem/perguntas-respostas/

Jen Fong, & Hewitt, P. (1996). Worm Composting Basics. Consultado em 30 de Setembro, 2020, http://compost.css.cornell.edu/worms/basics.html

Add Your Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Top