Artigo escrito por Sara Silva, promotora do projeto No Footprint Nomads.

Cozinha Lixo Zero

3 Partes de Alimentos que Podes Aproveitar já Hoje

Aproveitar todas as partes dos alimentos pode soar estranho mas é algo que se faz naturalmente em algumas culturas e em épocas de escassez. Hoje em dia, o acesso a bens alimentares é fácil e a ilusão da abundância leva ao desperdício. 

Na cozinha, descascamos frutas e vegetais, retiramos sementes, e eliminamos talos e folhas sem sabermos que estamos a deitar fora as partes mais nutritivas e saborosas dos alimentos. Por exemplo, a casca da banana é rica em vitamina C e as folhas da cenoura são campeãs de níveis de cálcio. O lugar destas porções “mal amadas” não é no caixote do lixo mas no nosso prato.

Para mim, o contacto com uma forma de cozinhar mais consciente e económica deu-se no Brasil. Em 2015, quando terminei uma viagem de mochila pela América Latina, fixei-me em São Paulo. A cidade tinha várias hortas urbanas e falava-se de PANCs – Plantas Alimentícias Não Convencionais. 

Em Portugal, a Alexandra Azevedo, autora de livros como Ervas Silvestres Comestíveis e do canal de Youtube Natureza Comestível, fala da recoleção de plantas nacionais.

Com uma população mundial prevista para 9 mil milhões em 2050, a única solução parece ser produzir mais. Em contrapartida, dos alimentos não é consumido. E se usássemos ao máximo o que temos disponível? 

O Aproveitamento Integral de Alimentos é um conceito de utilização de todas as partes comestíveis dos alimentos. Quando ouvi falar de uma mulher que ensinava moradores de favelas a preparar refeições económicas com cascas e talos de vegetais, fui logo fazer um curso sobre assunto. 

As vantagens do Aproveitamento Integral são inúmeras. Ao confeccionares pratos com estas partes não convencionais estás:

. A preparar refeições mais nutritivas;

. A reduzir o lixo que produzes;

. A reduzir as emissões de dióxido de
carbono; 

. A poupar dinheiro ao preparar mais quantidade;

. A variar o que comes. 

Seguem 3 links de receitas fáceis e deliciosas para começares já a preparar pratos com partes não convencionais das plantas. Alguns destes links levam-te para sites com mais receitas. Seleciona as de confecção mais simples ou de alimentos que consumas mais frequentemente.

1. Folhas de beterraba refogadas (pág. 24)

Nas folhas de muitos tubérculos é onde se encontra a maior concentração de vitaminas e minerais, como é o caso das folhas comestíveis de beterraba. Quando comprar, separe as folhas do tubérculo, lave, seque e guarde bem fechadas num saco de plástico, assim conservam mais tempo. Podem ser também consumidas cruas em saladas ou no suco verde (que fica vermelho neste caso).

2. Chips de casca de abóbora

Como muitos outros legumes e vegetais, a abóbora contém sementes e casca comestíveis. As sementes, quando secas e tostadas no forno, são um rico snack, uma fonte de vitamina E, e estimulam a eliminação de líquidos (diuréticas). A casca é rica em fibras e fica super saborosa nesta receita de chips. 

3. Brigadeiros de casca de banana (pág. 36)

Comer a casca da banana é prática comum nos países Asiáticos. A casca não é tão doce como a polpa mas é uma ótima fonte de potássio que ajuda na saúde muscular, e fibras. É também rica em triptofano, um aminoácido que é percursor da serotonina, uma substância produzida pelo cérebro que responsável por equilibrar o humor.

Aproveitar as partes comestíveis dos alimentos é uma forma inteligente de comer e de viver em sociedade. Torna-te um explorador de sabores e texturas e ajuda a preservar os recursos naturais da nossa casa comum.

Add Your Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Top